A Proteção Que Você Merece

Notícias

Hospital São Francisco teve reconhecimento internacional por trabalho realizado nas epidemias de dengue

Trabalhos foram realizados em Ribeirão Preto, em 2011 e 2013

16/12/2013

Dra. Sílvia Fonseca 

O trabalho realizado pelo Hospital São Francisco durante as epidemias de dengue que atingiram Ribeirão Preto em 2011 e 2013 foi reconhecido no exterior. A infectologista Sílvia Fonseca, gerente médica do hospital, foi convidada pela segunda vez consecutiva para dar aula na Universidade de Yale, EUA, sobre a experiência no programa de detecção precoce e tratamento da dengue realizado pela equipe que ela coordena.

Nos últimos anos, antes mesmo do período de início das chuvas, quando a incidência da doença normalmente aumenta, o hospital realiza reuniões periódicas com especialistas para troca de experiências e reciclagem das informações. Em seguida, elabora a atualização do fluxo de atendimento e realiza treinamentos e workshops com todos os profissionais de saúde da equipe para capacitá-los de acordo com os novos protocolos.

Durante a epidemia de dengue em 2013 (de janeiro a maio), o hospital registrou um aumento médio de 30% no número de consultas no Pronto-Atendimento (PA). Dos casos confirmados, a minoria (0,5%) necessitou de internação. Apesar deste grande fluxo, devido a todo este cuidado e preparo da equipe, nenhuma morte foi registrada em decorrência direta da doença.
“As medidas mais importantes para evitar óbito ou agravamento de caso durante uma epidemia de dengue são: a rápida triagem, possibilitando a detecção precoce da doença, a hidratação imediata, e após isso, o acompanhamento sistemático do caso. O segmento médico é fundamental para o sucesso do tratamento. Por isso a necessidade de treinamento intenso.”, explica a infectologista.

Sílvia afirma que os pacientes com casos confirmados são orientados a voltar de três a seis vezes, dependendo da gravidade de cada um, o que aumenta ainda mais o fluxo de pacientes, mas minimiza os riscos de complicações. O controle destes retornos é feito através de uma carteirinha, entregue ao paciente, que tem a data de todas as consultas e a evolução do tratamento. “Em uma situação de epidemia todos os serviços de saúde ficam sobrecarregados, por mais que se planeje e aumente a capacidade de atendimento. O importante é mantermos o foco nos protocolos seguindo a risca todos os passos para evitarmos óbitos”, avalia Sílvia.

O São Francisco está capacitado para atender casos suspeitos e/ou confirmados de dengue, seguindo as diretrizes do Ministério da Saúde, com tratamento hospitalar e acompanhamento adequado.

Galeria de Imagens

Voltar